sexta-feira, fevereiro 18, 2005

Que Desgraçados Nós Somos

Eu acredito que o dr. Medina Carreira tenha razão - parece mesmo que tem! Mas, ouvi-lo ou lê-lo é um verdadeiro exercício de masoquismo.
Que diabo! (ou será meu Deus!), estamos condenados a ser completamente esmagados pela realidade económica, a ser completamente desgraçados? Este povo, que somos nós, não terá capacidade para um golpe de asa?
Por falar nisso, e se a comunicação social mudasse as agulhas e se preocupasse em lembrar-nos o que já fizemos , para concluir que voltaremos a ser capazes?
Alguns dos cronistas de lugar cativo parecem-se muito com a ideia de político disseminada a esmo.
As suas preocupações têm mais a ver com a necessidade de se venderem a si próprios do que ajudar os leitores a perceber o que quer que seja. Recolho da minha leitura diária uma frase espantosa - que deve ter alcançado uma boa cotação no mercado das chamadas frases assassinas - "escolher (o próximo primeiro-ministro) é como escolher entre a pepsi-cola e a coca-cola".
Será plágio ou representa uma venda inédita: dois em um?

1 comentário:

LS disse...

Tenho uma boa impressão de Medina Carreira, considero-o alguém com capacidade e sabedor. Cheguei mesmo a defender, modestamente, que seria um bom ministro das finanças. Mas as afirmações que ontem proferiu são INACEITÁVEIS. Dá vontade de dizer ao senhor: o país está farto de Cassandras Catastrofistas e nessa matéria o sr. Medina não traz novidade, o(s) lugar(es) estão ocupados por uma pequena multidão. Detesto esta soberba. Se está farto do país, então deixe-nos e parta em busca do que considera ser o "primeiro mundo" onde (certamente) a sua imensa capacidade será reverenciada.