sexta-feira, fevereiro 04, 2005

O Debate

Enfim... lá se encontraram aqueles que, no dizer dos jornalistas de serviço, são os únicos com possibilidadedes de chegar a primeiro-ministro de Portugal. Santana Lopes e José Sócrates enfrentaram-se num modelo de debate "à americana". Isto é: uma espécie de tribunal com um júri a que só faltam as cabeleiras empoadas, com semáforos a cronometrar as ideias de cada um.
No final, nada de novo: Sócrates mais firme e Santana, cuja gripe lhe deu tempo para decorar uns números e tomar conhecimento de uns dossiês, a fugir às responsabilidades do passado e a pedir que o deixem continuar.
Venha lá o dia 20 porque já estou cansado.
PS - foi pena que o engº. Sócrates não se tivesse lembrado que as entradas de trabalhadores na Administração Pública nos governos do engº. Guterres serviram para regularizar a situação de milhares e milhares de trabalhadores que trabalhavam na função pública há anos a recibos verdes - uma situação que era da responsabilidade dos dez anos de governação cavaquista. Que diabo ! já que Santana Lopes continua a falar do passado... era só ir um pouco mais atrás!

3 comentários:

Anónimo disse...

Comentando o PS (post scriptum, não Partido Socialista) - Sócrates não se esqueceu de referir que essa entrada de trabalhadores foi uma forma de regularizar a situação de pessoas que trabalhavam há mais de 3 anos na FP. Só falhou o reparo quanto ao responsáveis por isso.
DespenteadaMental (http://ideiasemdesalinho.blogs.sapo.pt/)

LS disse...

O melhor do debate (mais humorado, mais galhofeiro) foi assistir à versão II de Luís Delgado na RTP 2 com Carlos Magno. Fantástico aquele homo leva-se a sério. Rir até fartar!

LS disse...

Correcção ao comentário: onde se lê "homo" leia-se "homem". Para que não fiquem erros ortográficos nesta sua casa.