sábado, junho 04, 2005

"Um Lugar Ao Sul"

É um programa de Rádio transmitido na Antena 1 da RDP que os burocratas atiraram para as sete horas da manhã de Sábado.
Tempos houve em que a Rádio era um meio de comunicação nobre, dirigido por gente íntegra e de cultura e que percebia o essencial de um instrumento tão poderoso. Nesses tempos, jornalistas, ou radialistas, como o Rafael Correia, eram considerados num plano de prestígio que nos garantia a salvaguarda dos valores culturais que nos diferenciam no Mundo.
Com a chamada massificação ou globalização, ou lá o que é, passamos o dia ( quando há paciência para isso) a ouvir disparates, conversas ocas de sentido, intercaladas do anúncio das previsões meteorológicas e das horas que vão correndo, além de música que pouco tem a ver connosco, sem nada que nos possa recolocar no nosso espaço, aproximar-nos uns dos outros.
Rafael Correia, todas as semanas nos mostra o caminho de um lugar ao Sul, mas a horas que pouca gente ouve - o que indica, seguramente, a predisposição das gentes que agora dirigem a principal estação de Rádio de Portugal de o atirar tão para Sul, tão para Sul que vai saltar das antenas, já sem espaço e sem voz para nos mostrar a nossa gente.
Hoje lá consegui estar acordado para o ouvir. Espero que muito mais gente tenha tido uma "espertina".
Ora então, muito bom dia, Rafael Correia. Oxalá alguma coisa mude a sério neste país.

1 comentário:

LS disse...

Caro Pedrosa, a rádio a minha "Amada Rádio" vai sendo dominada, aviltada por grupos de meninos e meninas tontos que dão corpo a uma estranha mania dos parzinhos concorrendo numa espécie de concurso do disparate e da imbecilidade. Faz-me impressão ouvir em quase todas as estações clones do Sala e da Olga Cardoso. Faz-me impressão imaginar, que comparado com esta miseravel gente, o Sala e a Olga Cardoso eram uns senhores. Faz-me impressão que após tantos anos sinta que aquele par que julgava ser o mais fraquinho da "Amada Rádio" ganhe outra dimensão na justaposição com a nossa realidade do presente.
Assim, de repente, começo a lembrar-me da "Amada Rádio" que me conquistou, que me tornou um eterno apaixonado pela rádio, lembro-me dos passageiros da noite, do pão com manteiga, tantos... Temos hoje, o quê? O Fernando Alves, o José Nuno Martins, alguma TSF um pouquito da Antena 1 e mais quê? Nada mais que um gigantesco gira-discos (cd agora, mais modernaça). E contudo, ela ali está para quem a souber conquistar... Amada Rádio.