domingo, julho 31, 2005

BRINCAR COM A MORTE

Deve evitar-se porque geralmente é fatal. Um cidadão português, residente em Londres, denunciou à polícia
londrina a identidade e morada de um dos suspeitos de envolvimento num atentado terrorista e contribuiu para a sua detenção pelas autoridades. Não se tratou de denunciar um suspeito de pilhar galináceos ou riscar carros mal estacionados. Mas identificar alguém como presumível terrorista.
Por isso me surpreendi ao ver o referido português exibido no telejornal da SIC (e não sei se em mais outros canais) como heroi de telenovela. Apetece denunciar este atentado a uma alta autoridade qualquer, para que a Justiça, seja isso o que for, acuse (e condene) os autores da façanha, que consistiu em expôr um cidadão identificado à ira impiedosa do terrorismo.
Oferecer um alvo a fanáticos deve constituir alguma forma de crime, pelo menos revela total falta de respeito pela vida humana.
É de crer que não tenha sido a Polícia a revelar a identidade do cidadão que colaborou com as autoridades, até pode ter acontecido que tenha sido o pateta a dar a cara, mas é óbvio que as imagens não deviam ter sido projectadas.
Há regras e princípios de bom senso. Os cinco suspeitos detidos não serão decerto os únicos, nem os últimos fanáticos. A própria Polícia deveria ter advertido o cidadão zeloso a guardar alguma prudente reserva. Até aqui os atentados terroristas não têm tido alvos humanos definidos, não convirá muito arranjar pretextos para acções selectivas.
O jornalismo cada vez mais precisa de ser responsável. O jornalista que se recusa a revelar as fontes, por princípio, não deve andar por aí a revelar as dos outros, colocando pessoas em risco de vida, ou de morte. Até porque se uma história destas dá para o azar, pode muito bem cair um processo sobre o orgão de comunicação social e pior do isso pôr-se em causa a liberdade de informar...

1 comentário:

LS disse...

Muito bem visto. Aliás, valeria talvez a pena fazer o contraponto com a forma como a comunicação social inglesa tem tratado todas as questões sensíveis relacionadas com os atentados.
Bom gosto e bom senso: eis a regra que teimamos esquecer.