sábado, abril 16, 2005

A Entrevista

José Sócrates apareceu a falar dos seus projectos, do seu governo, em entrevista a Judite de Sousa. Foi esta semana, que agora termina. Que dizer desta entrevista? O primeiro-ministro esteve ao seu melhor nível, a revelar bom senso, conhecedor dos dossiês, sem fazer da crise - que toda a gente conhece - motor da conversa e, ao contrário, tentando fazer passar a mensagem de que é no crescimento económico que está a solução.
O que dizer da entrevistadora? Sempre com o mesmo jeito, procurando na pequena política um título para os jornais do dia seguinte. Sempre o mesmo tipo de perguntas, com intrigas subjacentes, mas já gastas, já velhas e revelhas.
Perguntas sobre problemas sérios, concretos, nada.
Por exemplo: a questão da segurança, não se resume a um caso de polícia, como parece ser interpretado por José Sócrates e a sua equipa.
Estão a criar-se ilhas perigosas em Portugal, nomeadamente em Lisboa e uma das culpas mais fortes desses territórios perigosos tem a ver com a lei na nacionalidade, que considera estrangeiros milhares e milhares de jovens que aqui nasceram, aqui vivem, aqui fizeram amigos, mas a quem a lei continua a considerar outra coisa qualquer.
Como é que estes jovens, classificados à partida como estranhos à sociedade em que vivem se podem integrar na nossa sociedade. A lei convida-os objectivamente à marginalidade, praticamente sem alternativa. É um problema grave, de que ninguém fala.
Porque é que na preparação da entrevista a jornalista não detectou esta questão e tantas outras que ficaram por colocar ao primeiro-ministro, cuja disposição era a de, aparentemente ,esclarecer tudo?
Francamente, Judite, que interesse tem, agora, saber se este ou aquele ministro foram a primeira escolha? Será que essa preocupação representa a frustação de não ter participado no habitual festival dos governos formados nos jornais, nas rádios e nas televisões?
Na verdade o país está a precisar de grandes mudanças e não é apenas na política. O governo aparece aos olhos dos portugueses com uma nova atitude, pautada pela dignidade e pelo tão citado sentido de estado, mas os jornalistas e os comentadores não conseguem acompanhar - não saem da baixa política, da pequena intriga, sempre desejosos de pequenos ou, de preferência, grandes escândalos.

2 comentários:

pindérico disse...

Concordo inteiramente consigo.

LS disse...

Meu caro Pedrosa, gostava de ter escrito este texto!
MUITO BOM.
Um abraço