quinta-feira, outubro 06, 2005

Sem Perder a Ternura

Em 1969, eu exibia, em tom provocatório, numa parede da minha casa virada para uma janela da rua, sempre aberta, um poster flamejante de Che Guevara.Preto e Vermelho, era composto de peças de cartolina, assim como moldes de costura.
Guevara era um modelo, um mito, uma lenda, o que se quiser. Era um sinal dos tempos, daqueles tempos, em que as pessoas se interrogavam a si mesmas em nome de valores tão simples como a solidariedade, a justiça, a partilha, a igualdade nas oportunidades.
Neste momento, tenho à minha direita, numa parede da sala onde escrevo, uma fotografia não muito vista de Che Guevara, com uma legenda ainda mais significativa: "...sem perder a ternura jamais!"
Foram-se os valores daqueles tempos do Che a preto e vermelho, mas também se foi a ternura. Hoje, aparentemente, cada vida se resume a várias batalhas e, no final a uma guerra, cujo inimigo pode estar em toda a parte. Os amigos não existem, ou se existem estão longe, distraídos, ocupados...
Já pouca gente acredita que alguém que não se conheceu e aparece, de repente, nas nossas vidas, pode estar preocupado connosco, com a justiça do que nos acontece; preocupado em partilhar, em ser solidário, em fazer da vida uma estrada de ternura.
Por isso, o Che continua a ser um bom companheiro, porque me recorda as razões e os motivos que me guiam.

2 comentários:

Penélope disse...

... se você treme de indignação perante a injustiça do mundo, então somos companheiros.
Che Guevara

P.S. Completamente fora do contexto mas ainda assim aqui fica a questão: Quem são esses "caramelos" que aparecem como anonymous nos bloggs a querer vender tudo? ... calhando até a mãezinha marcha, pelo melhor preço, claro!!!

M.Pedrosa disse...

Já retirei os "vendedores da mãezinha". Obrigado pela chamada de atenção e, já agora, pela citação