domingo, outubro 09, 2005

A Crise do Estado

A palavra crise é uma companheira de todos nós. Desde que nascemos até que desaparecemos ela sempre nos acompanha. Uma vezes mais que outras, é certo, mas sempre ela se nos depara, para nos atrapalhar a vida.
Normalmente, o que nos perturba a vida é aquilo que não percebemos. E poucos de nós conseguimos perceber o que, nos vários contextos, se designa por crise.
Por exemplo, nesta altura fala-se de crise económica, de crise de valores... crise da sociedade, crise na Igreja, crise na União Europeia...
Todas estas expressões são os retratos a carvão de uma única crise: a do Estado.
O Estado, que levou milhares de anos a constitur-se, a organizar-se, com o objectivo de tomar conta das pessoas, de as juntar, de lhes propôr objectivos comuns. O Estado que se arvorou em defensor dos oprimidos, dos menos favorecidos, dos desprotegidos.
O Estado que, com esse programa, teve várias formas e passou do poder despótico, absoluto, um legado de Deus, a um poder irresponsável, sem objectivos e com um único objectivo: o de cobrar impostos dos cidadãos temerosos da lei para o entregar a outros, sem medo de coisa nenhuma e dispostos a retirar ao Estado todos os poderes que possam dar vantagem.
Na realidade, a crise que hoje vivemos é a crise do Estado, incapaz de regular o que quer que seja. Se olharmos com atenção para pequenos aspectos da nossa realidade depressa verificaremos que nenhuma lei protege o cidadão normal, cumpridor das suas obrigações.
Por exemplo, os seguros. Existem para quê? Para garantir que o cidadão comum a quem aconteceu um desastre, em casa, com o automóvel, com o que quer que seja e, para se prevenir, assinou uma apólice para transferir a sua responsabilidade para uma instituição, que na maior parte dos casos recebe e não paga nada, garanta a cobertura da sua responsabilidade?
Não. Os seguros representam um sistema de roubo sistemático, porque raramente pagam o que devem pagar e sempre cobram acima do que devem cobrar. A não ser que seja alguém poderoso, que se serve do sistema dos seguros para enriquecer ainda mais.
O sistema bancário - outro exemplo - existe para facilitar os negócios, conceder créditos, valorizar as poupanças?
Nada disso!
É mais um sistema montado para roubar o cidadão normal - não aquele que tem milhões de dívidas - mas aquele que vive do seu salário, que compra um carro a prestações e já comprou a máquina de lavar pelo mesmo sistema, bem como o frigorífico.
A este, o banco demora cinco dias a creditar-lhe um cheque, mas debita-lho na mesma hora em que ele o entregar para pagamento.
Olhem para o sistema de segurança social. Dizem que está em crise. Que vai desabar. E porquê?
Porque o Estado - não estou a falar de governos, que são todos a mesma coisa - permitiu que os poderosos, que tomaram conta dos transportes, das empresas de telecomunicações, de energia, de tudo quanto dá dinheiro, se preparam para, do mesmo modo, ir buscar o dinheiro que o cidadão comum, de boa fé, deixa que lhe descontem todos os meses, na esperança de, quando já não tiver força para trabalhar, ou quiçá, sair de casa, ter um meio de subsistência.
A crise é do Estado, de que meia dúzia ou uma dúzia -o número não interessa - de poderosos se serve como instrumento para reduzir direitos, aumentar deveres e nos levar a uma nova forma de escravatura. É para lá que caminham os nossos filhos. Com uma gravante significativa e significante: eles não têm consciência do que lhes está a acontecer, não têm capacidade de organização, ainda não perceberam que os carros de que desfrutam, as discotecas que os entretêem e as roupas de marca que os enfeitam fazem parte das algemas com que lhes estão a prender o futuro.
O Estado é cada vez mais uma organização caduca, prejudicial ao progresso do homem. Já o era na versão marxista e que Bakunine contestava. Agora é-o muito mais, porque não é carne nem peixe.
Alguém sabe quais são os poderes de Jorge Sampaio? E o que é que José Sócrates pode fazer para garantir que eu e tantos outros como eu não vamos, um dia destes, deixar de ter endereço porque o carteiro não vai debaixo da ponte.
Bakunine tinha razão? Pelo menos na necessidade de discutir a utilidade do Estado, tal como ele existe, sim. Vou reler Bakunine, deixar de ouvir Sócrates, Sampaio e todos os outros. Infelizmente vou ter que continuar a pagar os meus impostos, mas espero que quando alguma coisa de grave aconteça, eu ainda tenha força para poder mostrar-me.
A crise do Estado é sobretudo muito grave porque os seus agentes, o governo, só têm uma capacidade, a de ler as obrigações do Estado segundo os interesses dos poderosos, que, não tendo pátria, também já não têm rosto.
E esta crise irrita-me, sobretudo porque não há nenhuma maneira de a discutir. A nossa comunicação social é feita por marionettes, desmiolados, protagonistas do vazio que nos rodeia, pertença de grupos de gladiadores dispostos a colocar na arena os seus melhores homens quando o bocado em discussão fôr suculento.
A propósito: poucos dos que hoje escrevem para os jornais, para as rádios ou para as televisões sabem quem foi Bakunine.

2 comentários:

Anónimo disse...

Bay Area Blog Pulse
The Gavster strikes a humble pose at the Alice Griffith housing development. If you love Arnie, throw a 70's House Party -- because you really want to require parental notification for abortions.
Find out how to buy and sell anything, like things related to private road construction on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like private road construction!

Penélope disse...

... a única coisa que me apetece dizer é que estamos entregues aos bichos, na sua versão mais primitiva ... a lutarem pelo melhor e maior "bocado de carne"!!! A política mete nojo, é "feita" por supostas "pessoas normais", que quando chegam ao Poder a única coisa que acabam por fazer é roubar, enganar, estender os seus tentáculos mafiosos com a finalidade de se "garantirem" para quando acabar!! E é muito triste, e deprimente, confirmar uma vez mais que a última réstea de esperança dos cidadãos, os anónimos, os que pagam os impostos e compram a prestações, foi destruída pelos "cromos" que nos governam!!
Acho, contudo, que a infinita paciência dos portugueses, poderá estar a atingir o limite ... é preciso fazer qualquer coisa ... mas desta vez sem flores!!