terça-feira, maio 10, 2005

RECORDANDO HITLER

E subitamente meio mundo, ou o mundo inteiro, pôs-se a falar de Hitler.
Tenho para mim que Hitler, hoje, não é mais que um adjectivo. Não mais um substantivo. Ele, o seu nome por ele, qualifica.
É um outro Maquiavel. O nome, porque um não tem nada a ver com o outro. Quando se diz que alguém é maquiavélico, mesmo quem diga não faça a menor ideia de quem foi e do que foi Maquiavel, esse que não sabe quem ele foi está a chamar pérfido a outro alguém.
Ora Hitler já é mais ou menos isso: uma ofensa. Mas ele, como adjectivo, não está relacionado com a perfídia. Antes com a crueldade. Sucedeu-lhe porém ter tanto de pérfido como de cruel.
E de estúpido também
Um dia um jornalista, ao entrevistar Edison, chamou-lhe génio. Tinha ele inventado uma das muitas coisas que inventou e depois foram as homenagens e já havia jornalistas a chatear. Então lá veio o adjectivo génio.
Edison ouviu, parou a olhar a palavra, e depois debitou um discurso em que dizia que não sabia o que era isso de génio. Mas tinha uma ideia, e , se a ideia dele não estava errada, definia-a, matematicamente, como noventa e oito por cento de trabalho e dois por cento de inteligência.
- Mas esses dois por cento são muito importantes, acrescentou para que ficasse bem percebido.
Ele, que passou noites inteiras a experimentar a resistência de metais para saber o que devia utilizar nas lâmpadas eléctricas, sabia bem do valor do trabalho na genialidade. Até esse dom parece que cai do céu, a arte, consome ao artista mais horas que as horas de expediente em escritórios, repartições e congéneres. Pergunte-se a um violinista quantas horas gasta em treinos todos os dias. Já para não falar em exemplos como os do pobre Mozart que andou desde criança, mas criança mesmo, como os macacos de feira, de terra em terra a mostrar as suas habilidades.
Mas o Hitler, a pessoa, não o adjectivo, não. Convenceu-se. Deu-lhe a estupidez para ali, e não podia ter dado para pior. Aliás, tudo o que deixou feito e deixou escrito foi tão pequeno, e é, que estupidez não chega para o definir. Nem loucura chega. Loucura talvez seja até uma forma de o desculpar. Claro que louco também, mas imbecil muito mais.
Não esquecer Hitler
Parece que o adjectivo deste intenso rememorar Hitler teve por objectivo lembrar os 53 milhões de mortos na Europa, mais os 6 milhões de judeus que aparecem normalmenmte separados nas contas da mortandade. Rememoração que acontece precisamente no tempo em que se procura lavar a crueldade, as crueldades, crueldades épicas praticadas pelos japoneses na China. É que não foram do cientificismo sinistro das câmaras-de-gás, nem da crueldade holocáustica duma bomba atómica, foram mortes artesanais, uma a uma, desventramentos à baioneta e à faca, à bala também, uma a uma. Foi a crueldade paciente que não cansa, horas, dias, minutos e segundos, porque o tempo era pouco para matar tanto.
Mas o Japão, que foi aliado de Hitler, agora já é um dos fiéis amigos. Portanto, não esquecer Hitler, e quanto aos japoneses o que lá vai, lá vai.
Façamos-lhes então a vontade. E lembremos Hitler. Não apenas o louco, o cruel, o ditador, o carrasco dos judeus, antes e principalmente o pérfido. O traidor, o que fazia acordos de política internacional com aqueles que pensava atacar, o que até convidou o "irmão" Estaline para invadirem juntos a Polónia, dividindo metade-para-mim-metade-para-ti, e tempos depois invade a União Soviética.
Não esquecer então essa perfídia, tê-la sempre bem presente, primeiro que tudo porque as crueldades são incontáveis. Há crueldades para todos os gostos, em todas as idades e em todos os continentes. As perfídias são menos e esquecem mais. Há a palavra dada, o respeito que alguns tiranos têm por si próprios, enfim, há algum prurido. E, por ser menos frequentes, obrigam a mais cautelas.
Alguém faz ideia do que estará por detrás da profunda mudança no comportamento de Bush e todo o seu staff de agressivos economistas e delirantes filósofos?
Bruscamente os filósofos calaram-se todos. E na voz do chefe o que mais se ouve são as palavras "amigos", "aliados" e outras semelhantes.
Pode ser que se trate duma conversa sincera. Deus é grande! Mas também pode ser que não. O diabo tem sido maior.
E menos esquecer a perfídia
De qualquer maneira o que não deve é entrar-se pelo campo da manifestação de intenções. Há apenas dados que servem para ajuizar: os Estados Unidos permanecem no Iraque sem sinais de até quando, continuam a armar-se ferozmente e os seus sábios das químicas e das físicas não desistem de inventar mais instrumentos para matar.
Mesmo assim, os dados de ajuizamento também servem para desajuizar. Dado não é facto.
O que é facto é que a democracia que elegeu Hitler mantem-se intacta. Portanto não esquecer. Hitler é irrepetível, como todo o ser humano. A perfídia não.

1 comentário:

Lyra disse...

Tudo o que Hitler "deixou feito" foi demasiado.